sábado, 31 de janeiro de 2009

De profundis clamavi*

Imploro-te compaixão, ó meu único amor,
Do fundo deste abismo em que agora sucumbo.
É um universo morno, o horizonte de chumbo
Em que nadam na noite a blasfêmia e o horror.

E seis meses no céu plana um sol sempre frio,
E seis meses a noite é imensa e tumular,
É um país bem mais nu do que a terra polar,
– Sem verde, sem bosque e sem animal e nem rio.

No mundo não existe um horror comparado
Ao frio tão cruel deste sol congelado,
À noite imensa igual à do caos ancestral;

A sorte invejarei do mais vil animal,
Capaz de mergulhar no seu sono inconsciente,
Com os fios do Tempo a dobrar lentamente!

+*+Charles Baudelaire*+*+

*De profundis clamabo ad te, Domine (“Das profundas erguerei a ti, Senhor, os meus clamores”. Salmo 134).

* Paris, 9 de abril de 1821
+ Paris, 31 de agosto de 1867

*Charles-Pierre Baudelaire